quinta-feira, 30 de abril de 2009

Movimentos Autônomos

Debatia-se em seu leito pelo simples fato de não querer se movimentar, ou apenas por querer o próprio movimento, afinal era humano. Não aceitava simplesmente que algo fizesse se mover de forma incompreendida e mal quista. Sonhava em ser livre, mover-se para onde queria e quando o queria. Sonho esse que era atrapalhado por muito mais do que as circunstancias de sua vida, era atrapalhado por movimentos, que apesar de seus, não tinham nada a ver com o verdadeiro ser. Embora o prefixo "auto" estivesse presente não havia muito de si mesmo. Assim como em outras ocasiões era levado por outra parte. Autofágico, auto destrutivo, autônomo: Movimento das partes de si não apresentadas na capa.
Debatia-se até compreender o que era preciso fazer. Ate onde seria preciso lutar. E ao entender o seu objetivo conseguia por fim descansar, relaxar, fechar os olhos e controlar os próprios movimentos. Ou parte deles.


Arthus Nunes

3 comentários:

Lua_Adversa disse...

Nossa! O eu descontrolado e desconhecido do mundo interior... Escreves muito bem ao meu ver.
=****

Stephanie disse...

criança, me responda a pergunta que fez em meu blog.
quero rir.
bejooo

Stephanie disse...

se eu te contar...
eu não entendi ;x

bejos